Resenha

[RESENHA] “Stalker: Quando a inveja se torna uma obsessão”, de Tarryn Fisher por Faro Editorial – @DarkMarkTarryn @@FaroEditorial

Boa tarde!!!

Sou uma grande fã de romances, mas não resisti a este thriller de Tarryn Fisher.

Inveja, cobiça e mentiras marcam a trajetória destes personagens. Uma história que prende, e ao mesmo tempo assusta por sabermos que se passa em fatos reais.

Confira a resenha completa logo abaixo.

Ela não quer ser igual a você. Ela quer a sua vida. Quando Fig Coxbury compra uma casa na West Barrett Street, sua maior motivação não é o amor pelo bairro, ou ter se apaixonado pelo imóvel. É para ficar mais próxima de tudo o que ela deseja: o marido, a criança e a vida que pertence a outra pessoa. Com os olhos fixos na família Avery, Fig se insere gradualmente na rotina de Jolene, Darius e sua filha, Mercy. E não para por aí… Fig invade a privacidade familiar, e logo acredita que pode assumir, definitivamente, o lugar de Jolene. Ela persegue. Copia. Manipula. Cobiça. Usa táticas e cenas a cada momento. Toda stalker tem um objetivo. Para Fig, nada deve ficar em seu caminho.

Eu poderia ser uma versão sua melhorada. Sou todas as mulheres; tenho todas dentro de mim.

Tarryn Fisher é uma autora que não existe meio termo: ou você ama ou você odeia suas histórias.

Dessa vez ela vem com uma história baseada em fatos reais, que nos mostra o quanto a inveja de uma pessoa pode nos prejudicar.

Aqui somos apresentados a Fig, uma mulher que traz em sua bagagem algumas perdas, além de um comportamento cheio de pensamentos loucos.

Fig sofreu a perda da filha, e ao avistar a pequena Mercy acredita que sua filha “está de volta”. Mas Mercy é uma criança que vive com os pais, Jolene e Darius, os quais Fig está disposta a fazer qualquer coisa para poder tomá-la deles.

No meio do caminho, Fig acaba se tornando obcecada por casal, passando a invejar e copiar Jolene, tentando seduzir Darius, e querendo assumir um lugar nesta família.

Ver você conseguir as coisas sem merecer, e ainda por cima se esbaldar com elas, é um horror. Isso me revolta. Quem deveria tê-las sou eu, pois mereço muito mais que você. Na verdade, eu poderia ser uma versão sua melhorada. Sou todas as mulheres; tenho todas dentro de mim

O livro é dividido em três partes, sendo a primeira narrada por Fig, a segunda narrada por Darius, e a última por Jolene.

Em alguns momentos senti dó de Fig, afinal ela passou por tanta coisa, incluindo um relacionamento com vários sinais de ser abusivo. Mas a forma em que ela manipulava a vida de todos, mentia, me fazia ter raiva dela por boa parte da história.

Elas viviam num casarão vitoriano cinza, de alvenaria, a menos de dois quilômetros da minha modesta casinha. Que coincidência! Pensei nas datas e refiz as contas de cabeça. Dois anos, dois meses, seis dias. Será que essa criança poderia ser ela? No fundo eu sentia que sim, mas havia sempre aquela dúvida recorrente.

A história não traz grandes reviravoltas, mas acaba servindo como uma espécie de alerta de como algumas pessoas se inserem em nossas vidas e participar de nossas rotinas de forma tóxica, e que muitas vezes não percebemos os pequenos sinais que dão.

Outra coisa interessante, é que cada narrador, além de mostrar sua visão perante os fatos, acabamos percebendo que nem sempre aquilo que enxergamos é a verdade, e que a cada ângulo é possível notar que as pessoas mudam sua personalidade.

No geral, gostei  muito da narrativa, e me surpreendi com a personalidade de cada um dos narradores. A história prende, pois tudo que se pode imaginar é qual será o próximo passo de Fig, e quais reações terão os outros personagens.

Este  é um livro que traz uma história que incomoda, com personagens que são mais vilões do que mocinhos. Mas é uma história capaz de nos fazer refletir sobre aqueles que temos a nossa volta.

Minha grande surpresa, sem dúvida nenhuma, foi o último parágrafo do livro!

E para finalizar, não dá pra deixar passar batido a ótima edição que a Faro Editorial preparou aqui.

 

 

Participe do comentário premiado de abril clicando aqui

Anúncios

5 comentários em “[RESENHA] “Stalker: Quando a inveja se torna uma obsessão”, de Tarryn Fisher por Faro Editorial – @DarkMarkTarryn @@FaroEditorial

  1. Oi, Renata!
    Não li nenhum livro da Tarryn Fisher e confesso que no momento não tenho planos de ler nenhum livro seu… Stalker não faz o meu estilo de leitura, não curto livros baseados em fatos reais, onde os personagens são mais vilões do que mocinhos… por isso dificilmente eu leria esse livro. Bjos!

  2. Parece ser um livro muito forte,com muitas coisas para refletir sobre as pessoas que a gente deixa entrar na nosso cotidiano 🌼 Essa capa chama muitaa atenção 💟Adoreiii a resenha espero ler em breve 😻

  3. Renata!
    Gosto de livros que trazem distúrbios psicológicos, mesmo que não seja algo tão impactante, deve ser interessante, ainda mais por ser baseado em fatos reais.
    Acredito que o final aberto deve ser por que é sobre a vida da autora e como não chegou ao fim, não dá para colocar um ponto final, né?
    Fiquei bem interessada pelo livro.
    cheirinhos
    Rudy

  4. Olá,Renata!Tudo bem?
    Uauuuu… É isso que tenho que dizer da sua resenha. Assim como você,sou muito fã de romances, mas,também gosto muito de histórias assim. Mas eu prefiro ver do que assistir,eu acho mais legal mais realista e saber que esse história se passa em fatos reais deixa tudo mais emocionante.
    Esse é um livro que vale muito apena ler,quem sabe eu dê alguma chance a ele.
    Abraços!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s