Resenha

[RESENHA] “No ritmo do amor”, de Brittainy C. Cherry por Editora Record – @BrittainyCherry @editorarecord

Boa tarde!!!

Brittainny C. Cherry é uma das minhas autoras internacionais favoritas.

Com suas histórias, que conseguem ser lindas e dolorosas ao mesmo tempo, ela nos faz ir do riso às lágrimas em um piscar de olhos. E agora chegou a hora de conhecermos mais uma dessas histórias com a resenha completa logo abaixo.

Duas almas atormentadas unidas por uma grande paixão a linda e encantadora Jasmine Greene nasceu para brilhar. Cantora nata, ela cresceu sabendo que tinha vindo ao mundo para ser famosa, pois sua mãe — uma artista frustrada que concentrava na filha todas as suas expectativas — não a deixava se esquecer disso um minuto sequer. A vida da jovem de 16 anos se resume a estúdios, aulas de dança e canto e a inúmeros testes para ser o grande nome da música pop. Ela não tem tempo nem de IR à escola, é educada em casa e sofre com a rotina atribulada. Para Jasmine, o pior de tudo é não poder cantar soul, sua paixão. Mas ela não reclama, porque, na verdade, seu maior sonho é fazer com que a mãe tenha orgulho dela. Elliott Adams é uma alma atormentada. Para ele, cada dia é uma batalha a ser vencida. O rapaz tímido, humilde e franzino sofre bullying na escola por causa de sua aparência e por ser gago. Mas ele é mais forte do que imagina e encontrou em seu saxofone uma válvula de escape. Tira todas as suas forças dos acordes de Duke Ellington, Charlie Parker e Ella Fitzgerald, seus maiores ídolos. Quando Jasmine finalmente consegue a permissão da mãe para frequentar a escola pela primeira vez na vida, sente que ganhou na loteria. Adora estar cercada de pessoas da sua idade, que vivem os mesmos dilemas e questionamentos. Ela só odeia ver o garoto mais encantador que já conheceu na vida sofrer na mão dos valentões e fará tudo o que estiver ao seu alcance para mostrar a Elliott que ele não está sozinho. Aos poucos, esses dois jovens sofredores irão descobrir que têm muito mais em comum do que o amor pela música. Mas será que vão superar as reviravoltas que o destino preparou para eles?

A vida, às vezes, era difícil. Mas talvez Deus tenha nos presentado com a música como se fosse um pedido de desculpas.

Brittainy C. Cherry tem o dom de nos emocionar e arrancar lágrimas com suas histórias, mas em “No ritmo do amor” ela se superou e muito nisso.

Aqui nós somos apresentados a Elliott e Jasmine, dois jovens que vêm na música uma forma de esquecerem por alguns momentos de seus sofrimentos.

Éramos completamente opostos de muitas formas. Eu era a nova garota popular da escola, e ele, o garoto tímido que sofria bullying. Eu era extrovertida; ele, controlado. Eu estava perdida; ele era o caminho de volta para casa.

O livro é dividido em duas partes, onde na primeira conta como os protagonistas se conheceram e se apaixonaram, já a segunda é uma espécie de “resgate”.

Jasmine passa indo de teste em teste para se tornar uma cantora pop. Sua mãe quer que a filha atinja a fama que ela jamais conseguiu, não sendo apenas exigente, como chegando a ser cruel obrigando Jasmine a passar por dietas mirabolantes e horas sem fim de ensaio.

Jasmine vê no padrasto, Ray, alguém que lhe inspira, afinal ele a trata como se fosse sua filha, compreendendo-a mais que a própria mãe. Achei linda a cumplicidade e respeito entre eles, e a forma carinhosa em que Ray a chama: Branca de Neve.

Elliott é um garoto tímido e estudioso, que graças a seu tio TJ descobriu o amor pelo jaz e saxofone. Filho e irmão amoroso, o garoto sofre inúmeros e cruéis ataques de bullying na escola.

Quando Jasmine e Elliott se encontram, uma grande conexão é estabelecida, e através do amor a música o amor entre eles vai crescendo.

Nunca li um livro em que passasse tão mau durante as cenas de bullyng, cheguei até a ter pesadelo com uma delas. Muitas vezes eu tinha de dar uma pausa na leitura, respirar, tomar uma água pra poder voltar. E acho que esse foi realmente o intuito da autora: incomodar quem fosse ler este livro pra que não deixasse esse tipo de situação passar impune. As cenas são pra nos desestabilizar e refletir, para que se está em nossas mãos fazer com que coisas assim parem de acontecer, não nos calarmos para que as coisas não tomem proporções ainda maiores.

Elliott é o porto seguro de Jasmine nessa primeira parte, sempre com palavras amigas e a encorajando a seguir seus sonhos.

Na segunda parte, após alguns anos entre uma parte e outra, vi que se já sofri na primeira, iria sofrer bem mais aqui. Enquanto Jasmine finalmente toma algumas atitudes, Elliott vive atormentado por algo que lhe aconteceu, e o garoto alegre, que não se abalava nem mesmo com os ataques que sofria, se torna alguém solitário e amargurado.

Tudo que sempre quis foi ser o herói de uma história. Mesmo assim, de alguma forma, acabei me perdendo no caminho, e tinha certeza de que já estava tão perdido que não tinha mais volta.

O livro é escrito em primeira pessoa, sob o ponto de vista dos protagonistas, e somos capazes de sentir toda dor e amor deles. Terminei o livro com vontade de abraçar cada um deles, não somente o casal, mas vários personagens que foram importantes para a história, que mostraram sua garra.

Sempre que eu pensava em lar, não era um lugar que me vinha a cabeça; eram pessoas. Aquelas que nos lapidavam para que nos tornássemos quem deveríamos ser, aquelas que nos amavam, apesar de nossas cicatrizes e que falava que essas cicatrizes eram lindas. Aquelas que permitiam que cometêssemos nossos próprios erros e que, ainda assim, nos amavam por inteiro.

Este é um livro que provoca muitos sentimentos, ao mesmo tempo em que traz lições de perdão, amor, amizade e família. Ele ainda mostra que lar é onde nosso coração está, são as pessoas que estão sempre e independente de qualquer coisa presentes em nossas vida.

Você é a música em um mundo mudo, e o meu coração bate só porque você está aqui.

Parabéns pela linda história Brittainy.

Participe do comentário premiado de agosto clicando aqui

Anúncios

4 comentários em “[RESENHA] “No ritmo do amor”, de Brittainy C. Cherry por Editora Record – @BrittainyCherry @editorarecord

  1. Renata!
    Nossa! Deve mesmo ser um livro bom já que leu com a maior rapidez, hein?
    Sou fã da autora também.
    Triste ser obrigada a fazer uma coisa que não se quer, né?
    Que mãe mais vaca, hein? Affffffeeee!! Que horrorosa, vixe!
    Eu mesma sou madrasta e as meninas me chamam de MÃEDRASTA…
    Que relação bacana dela com o padrasto, né?
    Já gostei e quero ler.
    cheirinhos
    Rudy

  2. Oi Rê, pense numa pessoa que se desidratou de tanto chorar com a primeira parte desse livro: eu haha.
    Eu amei, tinha tempo que não pegava uma história que me tocasse tanto e essa autora tem uma escrita que cativa e encanta e como você bem disse nessa resenha linda, ela trás um tema pra nos incomodar, chocar, pensar. Amei a resenha, amei essa história e espero que todos leiam e amem também 😉

  3. Oi Renata!
    Nossa que resenha…Tinha lido apenas uma até agora sobre esse livro, confesso que me despertou ainda mais vontade de ler, gosto qdo a leitura trás essa mistura de sentimentos, espero conseguir ler em breve.
    Bjs!

  4. Só de ler a resenha deu vontade de abraçar os dois 😻😻Ainda não li ele mais desde de que lançou tá na minha lista 📝 Esse livro deve ser uma lindaaa lição de vida com essa parte do bullying sofrido pelo Elliott 😊 É nem se fala dessa capa maravilhosa 😍😍💘

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s