Resenha

[RESENHA] “Aprendendo a confiar” (Série Rendição – Livro 1) de Mariel Grey por Editora Bezz – @Mariel_Grey @EditoraBezz

Cavalos, apostas, romances, disputas e chantagem, são as questões abordadas lindamente nesse romance.

Gente, por onde essa autora andou que eu nunca ouvi falar dela? Que história bem bonita e cheia de elementos diferentes.

Lucy Goodwin sabe mais sobre criação de cavalos do que sobre qualquer assunto adequado a uma moça da Sociedade. O negócio de reprodução e criação de puro-sangue, de seu irmão, deu-lhe o propósito e a independência desejada, mas quando um acidente a deixa à frente das negociações, o desespero e a destruição ameaçam tudo o que já foi conquistado. Presa em uma posição impossível, Lucy tem uma dura escolha: fazer a coisa certa e ver seus sonhos desmoronando, ou salvar a sua subsistência a um custo muito alto. 

Lord Philip Lyton, Marquês de Chalifour, é um membro do prestigiado Jockey Club, dedicado a eliminar a trapaça nas corridas de cavalos. Ele se vê envolvido num problema desagradável quando descobre que seu novo sócio sofreu um acidente, forçando-o a ter de lidar com a irmã deste. Lucy é linda e entende de cavalos como poucos homens que Chalifour conhece, mas ela também apresenta um traço forte em sua personalidade: a obstinação. E apesar de Chalifour respeitar a firme determinação da moça, ele sabe que a obstinação pode ser um traço perigoso.

AMAZON

Uma leitura muito cativante e que merecia uma releitura logo que acabei. Lucy Goodwin não é uma dama para a sociedade, ela teve a sorte de crescer com um pai que batalhou muito para levar seu amor por cavalos á frente e isso fez com que os Goodwin ficassem muito famosos por ter um estrebaria com puros sangues e fizesse que Lucien Goodwin, irmão de Lucy, se tornasse um jóquei bem quisto.

E isso leva Lorde Chalifour a ter muito interesse em formar uma parceria de negócios, misturando os cavalos que possuem para conseguir novos puros sangue para venda e competição. No entanto, Lucien acaba se acidentando e ficando inconsciente, deixando Lucy muito apreensiva, pois ainda está de luto pela morte do pai e não se vê perdendo outro ente querido em tão pouco tempo.

“Ela realmente nunca tinha testemunhado como poder ser um casamento. Talvez fosse por isso que no fundo do seu coração, temia se entregar completamente a um homem.”

Nesse meio tempo, bate á sua porta Lorde Perdan cobrando as dívidas de Lucien, desesperando ainda mais a moça devido á grande quantia em débito; e como desespero leva á medidas desesperadas Lucy não vê outro jeito além de mentir para o devedor e para Lorde Chalifour de que apesar do irmão ter sofrido um acidente está tudo bem, no entanto, o jovem Lucien está inconsciente e sem previsão para despertar.

Chalifour quer assinar um contrato de parceria e Perdan quer o cumprimento do acordo das libras que o irmão dela lhe devem; então Lucy falsifica documentos e a assinatura do irmão na tentativa de fazer todos os planos correrem bem, mas isso apenas a coloca em uma espiral de situações sem volta e que parecem difíceis de encontrar uma saída.

“Lucy era como uma potra jovem, espirituosa, e dava trabalho para ganhar sua confiança. Ele teria ganhado a confiança dela? Ele não poderia fazer mais nada quando a isso. Ele não conseguia deixar de admirar a sua coragem.”

Dizer que eu amei esse livro é bem pouco para expressar meus sentimentos, foi na verdade um livro muito diferente para uma amante de romances de época. Mariel Grey conseguiu incluir os elementos de criação de cavalos e corridas de um jeito que nunca tinha visto antes, além de ter criado personagens cativantes que não tem medo de esperar seu tempo chegar para tomar ações. Digo isso por ser um tempo em que as coisas aconteciam de vagar e foi ótimo ver um romance crescer gradualmente, sem pressa e sem ambições.

“Eu tenho medo […] porque se eu me casar, vou perder minha identidade e deixar de ser quem eu sou. Eu não vou ter nada.”

Chalifour não me decepcionou em nenhum momento. Foi um cavalheiro do começo ao fim, que notou as ressalvas de Lucy e esperou o momento certo chegar para conquistá-la. Já Lucy é uma mocinha muito querida, que não tem receios de proteger sua família, mas tem medo de confiar devido á sua criação e mostrou lindamente como uma jovem deve ser corajosa e destemida.

Não posso deixar de mencionar o elenco feminino que é muito forte dentro desse primeiro volume da Série Redenção. A linda amizade entre Lucy e Monique que é uma das que mais gostei nos últimos tempos. O elo que as une é muito forte, e nem a barreira da classe social fica entre as duas. Lady Monique é uma dama refinada da sociedade, irmã do Duque de Glenhurst, que é quase uma protetora de Lucy; fofas inseparáveis. E também há a querida e espevitada Lady Elizabeth, irmã de Lorde Chalinfour, que também trás a trama uma boa dose de humor e condescendência por parte da nobreza.

E finalizo dizendo: POR FAVOR EDITORA BEZZ LIBERA O LIVRO DA MONIQUE! Beijos, fim.

Participe do “Comentário Premiado” de abril clicando aqui

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s