Resenha

[RESENHA] “Orgulho e preconceito” de Jane Austen por Bestbolso – @editorarecord

Alguém aqui ama Jane Austen??

Ai meldeus!! Nem acredito que consegui reler esse livro. Tô até emocionada!!

Romance clássico ainda com muita vitalidade. A chegada de um jovem solteiro e rico à vila de Longbourn causa um grande alvoroço na família Bennet. cujas cinco filhas – a bela Jane. a sensata Elizabeth. a culta Mary. a imatura Kitty e a desvairada Lydia – foram criadas com um único propósito na vida: encontrar um bom marido. Orgulho e preconceito. livro que a própria autora considerava “seu filho mais querido”. foi publicado originalmente em 1813. e atravessou os séculos dotado de uma assombrosa vitalidade. Além de uma das mais comoventes histórias de amor já escritas. é uma brilhante comédia de costumes e um estudo profundo da sociedade de seu tempo. A plena compreensão do mundo feminino e o domínio da forma e da ironia fizeram de Jane Austen uma das mais notáveis e influentes romancistas de sua época. A obra Orgulho e preconceito ganhou oito adaptações para a televisão e o cinema. sendo a mais recente estrelada por Keira Knightley e Matthew MacFadyen. Esta edição de bolso inclui prefácio de Julia Romeu.

AMAZON

Vamos comemorar a estréia da novela das 6 do jeito certo? Se você esqueceu que  semana passada estreou “Orgulho e Paixão” baseado nos romances da autora Jane Austen, estou aqui para lembrar á vocês.

Nem acredito que já faz 10 anos da última vez que li Orgulho e Preconceito e já estava mais do que na hora de reler. Jane Austen não é só uma das minhas autoras favoritas, como essa história me converteu em uma amante de romances de época. Talvez esse não seja uma resenha inédita, pois quem não conhece esse enredo, ou seja através dos livros como também dos filmes ou do seriado da BBC, não é mesmo?

Minha primeira impressão da primeira leitura foi lindíssima, mas essa releitura me deixou aquele sentimento de que a ideia de Jane Austen é tão atual como era no século 18. Preconceito, tanto social como de personalidade, aspectos cotidianos e da vida real, bem como um conhecimento quase íntimo com a cultura da sociedade da época.

“A vaidade e o orgulho são coisas diferentes, embora as palavras sejam frequentemente usadas como sinônimos. Uma pessoa pode ser orgulhosa sem ser vaidosa. O orgulho se relaciona mais com a opinião que temos de nós mesmos, e a vaidade, com o que desejaríamos que os outros pensassem de nós”.

Senhorita Elizabeth Bennet, ou comumente mais conhecida como Lizzie, é a segunda filha de um casal de fazendeiros, e mais quatro irmãs: Jane, Mary, Kitty e Lydia. E começamos a conhecer essa família muito cômica quando na cidade onde moram chega um novo proprietário para alugar a casa de Netherfield, e a matriarca da família Bennet fica agitada pois Mr. Bingley, o proprietário, é solteiro, rico e poderia se interessar por uma de suas filhas. E o mesmo chega na cidade com a irmã, tios e seu amigo Mr. Darcy.

Lizzie é rebelde, e em muito é desfavorável aos avanços da mãe em jogá-la para qualquer solteiro disponível; e isso a torna uma personagem bem diferente do habitual: não é meiga, ingênua e tem é tão imperfeita como qualquer pessoa. Sempre fui do time que não reverencia a Lizzie como personagem perfeita, ela tem ótimas qualidades, mas está longe de ser desprovida de defeitos; tanto até que o pai é um dos que atiçam alguns vícios na personagem por sempre alimentar sua inteligência e sagacidade. No entanto, Jane é considerada a mais bonita da região e diferente de Lizzie, é doce, sensível, reservada e tímida, tomando logo a atenção de Mr. Bingley. Por outro lado, a antipatia entre Lizzie e Darcy é marcante e surge logo num primeiro momento, não deixando nenhum espaço para se conhecerem.

“Qual delas? – perguntou ele, voltando-se e detendo o olhar em Elizabeth por um instante, até que, encontrando-lhes os olhos, desviou os seus e disse friamente: – É tolerável; mas não tem beleza suficiente para tentar a mim […]”.

Como personagem masculino, Darcy é sem sombra de dúvidas um dos melhores desse livro, pois apesar de rico e muito cobiçado como proprietário de Pemberley, é também reservado e muito centrado na moralidade. E é essa mentalidade que o afasta de Lizzie, pois repudia os excessos da mãe, as omissões do pai e a falta de compostura das outras três irmãs. E como amigo íntimo de Bingley, Darcy se torna o pivô do afastamento do amigo com Jane, tornando ainda mais inaceitável  como pessoa para Lizzie.

“- O Senhor pretende me intimidar, Sr. Darcy, aproximando-se com toda esta imponência? Mas não ficarei inibida, embora sua irmã toque tão bem. Possuo uma obstinação que impede a vontade alheia de me amedrontar. Minha coragem sempre é despertada quando tentam me intimidar.”

Uma das coisas que mais amei nessa releitura foi perceber pela primeira vez como o destino brinca com os personagens e é necessário uma passagem de tempo longa para que tudo fique no lugar. A vida não é rápido e muito menos as coisas do coração. Jane Austen é maravilhosa por nos proporcionar amadurecimentos entre os personagens, diálogos engraçados, e encontros cheios de significados que deixam o romance tão cheio de nuances e real que é impossível não se ver presa e torcendo para que tudo dentro do enrede dê certo.

“São poucas as pessoas a quem realmente amo, e menos ainda aquelas dais quais tenho uma boa opinião. Quanto mais conheço o mundo, mais fico descontente; e a cada dia se confirma minha crença na inconsistência de todos os caracteres humanos e na pouca confiança que pode ser depositada nas aparências do mérito ou do bom senso.”

Orgulho e Preconceito é uma obra incrível, envolvente e apaixonante. Fazer essa releitura me deixou com vontade de reler meu livro preferido da Austen: Persuasão. Já colocando na minha próxima lista de leitura.

Participe do “Comentário Premiado de Março” clicando aqui

 

Anúncios

14 comentários em “[RESENHA] “Orgulho e preconceito” de Jane Austen por Bestbolso – @editorarecord

  1. Orgulho e Preconceito de Jane Austen é definitivamente um dos meus romances favoritos e eu adorei essa edição da capa que remete muito as pinturas e Retratos da época realmente dá um toque mais requintado a edição

  2. Clarisse!
    A Jane Austin foi uma precurssora de seu tempo, relatando as história da corte no século em que vivia.
    Clássico imperdível de ser lido.
    “Não cruze os braços diante de uma dificuldade, pois o maior homem do mundo morreu de braços abertos!” (Desconhecido)
    BOA PÁSCOA!
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA MARÇO: 3 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

  3. Boa Noite Clarisse…
    Amei o post sobre a obra Orgulho e Preconceito😍❤
    Já tinha começado a leitura do livro mas não finalizei😔
    Achei super da hora a novela inspirada nesse clássico da Jane.
    E concerteza vou termina essa leitura.
    Pra ter uma ideia nem o filme eu consegui assistir….e sou louca pra ver essa adaptação 💃😍
    Bjs…

  4. Oi Clarisse!
    Eu fico encantada com resenhas das obras da Jane Austen, ainda não li nenhuma infelizmente, apenas já vi o filme e agora a novela adaptada da obra e estou amando, espero ter uma oportunidade de ler livros dela.
    Bjs!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s