Devaneios

[Devaneios] Salvem o português x porque a literatura nacional está em perigo

Oi, gente!

O post de hoje é uma reflexão e um “toque” aos muitos autores independentes que criaram coragem para publicar suas histórias usando a Amazon como ferramenta (e excelente, por sinal) para vender seus livros.

Como falei aqui, tenho me aventurado pelos self-publishs (ou livros autopublicados) da Amazon, seja nacional ou estrangeiro. Tenho lido muita coisa bacana, histórias bem escritas, tramas interessantes e capas lindas que alegram meu coração de leitora apaixonada. A literatura nacional está em fase de expansão. As editoras fizeram um boom no último ano, com autores super talentosos da nova geração da literatura brasileira como Carina Rissi, A.C. Meyer, Camila Moreira, Raphael Montes, Maurício Gomide, Bianca Briones e muitos outros nomes que são destaques no cenário literário atual. Mas, ultimamente, tenho me deparado com um grande problema nos livros autopublicados: a falta de revisão.

Não vou nem entrar no mérito das histórias bizarras (mocinho que, no meio da transa, bate na cara da mocinha e a chama de p…; empresa de segurança com clínica que faz transfusão de sangue, entre outras coisas “estranhas”), mas independente do plot da história e da forma que o autor deseja desenvolver seus personagens, sinto falta de algo essencial para qualquer livro, seja autopublicado ou de editora: revisão! Isso mesmo, gente! A boa e velha revisão!

A gente sabe que, muitas vezes, errinhos de digitação passam, mas principalmente quem escreve livros e quer ganhar dinheiro com a venda deles, precisa prezar pelo bom e velho português. As histórias precisam ter, além de coerência e continuidade, uma ortografia e gramática corretas.

Por incrível que possa parecer, nas minhas últimas leituras, principalmente de nacionais (que não foram poucos), encontrei erros grotescos do tipo:

“Meu desejo por ela era tão incontrolável que quase me fez perder o controle” (????)

“A boca dela era deliciosa”

Ela tinha olhos de gata”

Ele vivi num apartamento luxuoso”

Podem parecer errinhos bobos, mas que durante a leitura, nos faz perder até mesmo o interesse pelo livro, ainda que a história seja interessante. Minha última leitura nacional (autopublicada) por exemplo, tinha tantos erros de conjugação de verbos que eu passei mais tempo corrigindo o texto mentalmente que desfrutando a história. 😦

Mas não é só isso. Além dos erros ortográficos e gramaticais, encontramos em determinados livros o uso de palavras que não existem na língua portuguesa e que me fazem pensar onde as pessoas encontram essas palavras… :/

“Ela estava fodidamente linda”

“Ela moeu seu corpo contra o dele”

Já dizia José Saramago: “Antes do interesse pela escrita, há um outro: o interesse pela leitura. E mal vão as coisas quando só se pensa no primeiro, se antes não se consolidou o gosto pelo segundo. Sem ler ninguém escreve”. Então, queridos autores, vocês têm um enorme potencial de mercado bem na sua frente. Os leitores estão sedentos por boas histórias! Mas não deixem de investir num serviço de revisão e edição. Invista no seu livro. Ele é o seu “currículo” num mercado onde o produto é o livro. Um livro bem escrito, bem revisado e bem editado tem uma receptividade melhor, por leitores e blogueiros!

Em conversa com uma profissional que analisa os manuscritos enviados para uma editora de grande porte, perguntei quais são os aspectos analisados na hora de escolher o que vai ser publicado e o primeiro item de sua lista foi “escrita correta“, empregando de forma coerente as normas da língua portuguesa. Não adianta só a história ser boa, se o manuscrito chega cheio de erros bobos e sem uma boa revisão, a análise nem é concluída, já que a quantidade de manuscritos para análise é gigantesca e as editoras querem autores que se destaquem no meio de tanta gente buscando um lugar ao sol.

Ainda falando de edição e revisão, o Publishers Weekly, um site voltado para o mercado editorial americano, fez uma entrevista muito bacana com vários autores de destaque nos EUA sobre o tema. Entre vários autores está Kristen Proby, autora que já vendeu mais de dois milhões de livros em todo o mundo e já foi traduzida para mais de seis idiomas e que, no Brasil, teve seu primeiro livro, Fica comigo, lançado no início de 2015. Na entrevista, ela fala a respeito da importância de se investir em edição e revisão dos livros autopublicados. Leia abaixo, em tradução livre, o depoimento da autora:

Autora independente besteseller do NY Times e USA Today com a série With me in Seattle e com a série Love under the big sky, Kristen Proby é uma autora que acredita firmemente no valor de um bom editor. “Essa é a diferença entre ser um profissional medíocre e um profissional a ser levado a sério”, diz ela.

Proby admite que, por causa de sua própria inexperiência, seus primeiros romances não foram editados profissionalmente, algo que ela diz ter se arrependido quando viu sua carreira não progredir. Em 2013, ela contratou um serviço de edição para revisar e editar todos os seus romances já publicados. “Eu sei que, sem dúvida, isso aumentou a qualidade dos meus livros anteriores, levando-os de aceitável para bem trabalhados, e isso me deixou mais confiante naquilo que eu estava oferecendo ao meu leitor.”

Apesar de achar que a edição de conteúdo é importante, ela acredita que a revisão e edição de texto são as partes do processo editorial mais importantes. “Editar e revisar os livros são os pontos que eu acredito ser onde eu mais preciso de ajuda, para encontrar erros de digitação e de corrigir minha gramática.”

Ela recomenda que os autores enviem uma amostra do seu trabalho (apenas algumas páginas) para vários editores e peçam uma amostra do trabalho de edição/revisão de cortesia antes de se comprometer com um editor. “É importante que você e seu editor trabalhem bem juntos, e que a pessoa que você contratou entenda a sua visão e seu objetivo.”

Fica então nossa dica: invista num bom profissional de revisão e edição e leia muito! A leitura ajuda a melhorar o vocabulário e a construção dos textos. 🙂

Ah, e claro! Escrevam bastante. Só a prática faz o trabalho do escritor melhorar mais e mais ❤

E viva o português!

Beijos!

8 comentários em “[Devaneios] Salvem o português x porque a literatura nacional está em perigo

  1. Muito bom o tema, pude relembrar detalhes que aprendi na escola e sem dúvida vou me policiar mais. Eu sou uma das autoras que se autopublicam. Felizmente, ou infelizmente, somente agora posso pagar pela revisão e msm assim, será uma de cada vez. Mas de toda forma, essa caça aos erros nem sempre será eficaz, pois já tive dois textos corrigido por duas revisoras (assim me foi dito pela editora na época) e elas deixaram passar erros citados no post (boca dela e ela tinha), assim como uma delas trocou “tinha aberto” por tinha abrido”. Eu tive de insistir para que mudasse.
    Por citar “tive de”, vale comentar que ultimamente tenho lido livros revisados por profissionais e encontrei “tive que” em vez de “tive de”, assim como verbos conjugados no tempo errado…
    Sobre a invenção de palavras (fodidamente), também chamaria minha atenção, mas somente se encontrasse fora dos diálogos. Acredito que durante a “fala” uma personagem pode se expressar como quiser. Tanto que msm odiando “pro” e “pra”, em histórias que se passam no Brasil eu deixo as personagens usarem, afinal é como falamos. Seria complicado um leitor brasileiro considerar isso um erro, afinal ele fala igual.
    Voltando aos erros de escrita, como mencionei acima, nem sempre todo esforço será eficaz, mas nem por isso devemos deixar de fazer o que for possível para melhorar cada vez mais. De minha parte, farei o que puder mesmo sabendo que vez ou outra, algum erro poderá passar.

    Obrigada pelas dicas. Parabéns pelo post! Bjus… Halice

    1. Oi, Halice!
      Uma dica para quando contratar uma revisora é pedir sempre que ela faça a revisão com controle de alterações. Assim, você pode aprovar ou não as alterações que ela sugere. E sempre procurar pessoas experientes… pq a gente sabe, o autor acaba precisando economizar e fecha contrato com pessoas que cobrem menos. Mas, tem q ter cuidado. Uma revisão ruim, pode trazer um resultado catastrófico, já que o leitor que compra livros é muito mais exigente que o do wattpad 😉
      Sucesso! Obrigada por nos visitar 🙂

      Beijos

  2. Lhaisa Andria, Paula Vendramini, Karine Ribeiro, Kamille Girão, Décio Gomes, Josy Stoque, Lu Piras, o autor de Belleville cujo nome acabou de fugir da minha mente, entre muitos outros.

    São autores nacionais que conheci através do kindle, alguns que tive prazer de conhecer, e todos eles merecem reconhecimento, em minha opinião. Alguns, como a Lu, o de Belleville e Josy já o tem, mas ficaria muito feliz se os outros tivessem, porque é muito merecido =3

    1. Não conheço os que você citou, mas vou colocar na minha lista de autores a acompanhar. Tem mta gente realmente boa, que faz um trabalho bacana. Citamos alguns nomes apenas, como forma de “ilustrar” a coluna, já que são nomes que estão em destaque no cenário literário nacional atual. Mas, com certeza, tem mtos outros autores maravilhosos por aí 😉

  3. Olá,

    Excelente post! Me sinto enganada quando adquiro um e-book e em vez de ler a história fico assustada com os erros grotescos que perco mais tempo corrigindo mentalmente como você mencionou do que lendo a história propriamente dita. Publiquei um pequeno conto no ano passado e recebi meus primeiros royalties! Vale a pena sim, mas devemos como autor investir na qualidade do texto que estaremos transmitindo aos nossos leitores ❤
    Conheço revisoras excelentes que trabalham na Amazon e ficam indignadas tanto quanto nós rsrs

    Bjs

    http://www.viajenaleitura.com.br/

    1. Extamente! Acho q a sensação é essa mesmo: se sentir enganado! E um serviço de revisão nem sai tão caro assim, tendo em vista que muitos desses livros com erros vendem consideravelmente, por terem capas atrativas e, até mesmo, figurarem na lista dos mais vendidos da Veja. Obrigada pela visita!

  4. Concordo que existem livros que precisam de uma boa revisão antes de serem publicados, mas quando é autopublicado eu até que relevo um pouco, já que muitas vezes o autor fez tudo sozinho, meu problema maior é quando isso acontece com livros que foram publicados por grandes editoras e que possuem profissionais para fazer essa revisão, mas que mesmo assim deixam passar coisas grotescas
    bjos
    Pah
    Lendo e Escrevendo

    1. Mesmo na autopublicação, Pah, é importante. O autor acaba influenciando as pessoas a escreverem errado. E na grande maioria das vezes são erros grotescos, como os apontados acima. Um livro postado no wattpad, por exemplo, é justificável ter erros desse nível, por ser uma plataforma gratuita, que muitas vezes o autor posta conforme vai escrevendo, mas nos publicados na Amazon, onde o autor ganha com as vendas? Acho que merece um cuidado maior. Vejo vários livros na Amazon em que as resenhas apontam erros grotescos nos livros, coisas que qualquer pessoa poderia detectar. É impossível um autor revisar seu próprio trabalho. A vista cansa, acostuma com a história e acaba não vendo onde estão os erros. Então, para esses que estão começando e não tem condições de investir, a sugestão é pedir para um amigo, alguém de confiança, ou até mesmo um blogueiro para apontar onde estão as falhas. O importante é preservar nosso idioma, para que, num futuro próximo, a gente não tenha ainda mais problemas de escrita e fala.
      Obrigada pela visita, Pah! ❤
      Beijos

Deixe uma resposta para Pah Patricia Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s