Resenha

[Resenha] Eleanor & Park, de Rainbow Rowell

Livro: Eleanor & Park

Autora: Rainbow Rowell

Editora: Novo Século

Skoob970902_775629949113808_8216179341777204490_t

imagem Sinopse:

Eleanor & Park é engraçado, triste, sarcástico, sincero e, acima de tudo, geek. Os personagens que dão título ao livro são dois jovens vizinhos de dezesseis anos. Park, descendente de coreanos e apaixonado por música e quadrinhos, não chega exatamente a ser popular, mas consegue não ser incomodado pelos colegas de escola. Eleanor, ruiva, sempre vestida com roupas estranhas e “grande” (ela pensa em si própria como gorda), é a filha mais velha de uma problemática família. Os dois se encontram no ônibus escolar todos os dias. Apesar de uma certa relutância no início, começam a conversar, enquanto dividem os quadrinhos de X-Men e Watchmen. E nem a tiração de sarro dos amigos e a desaprovação da família impede que Eleanor e Park se apaixonem, ao som de The Cure e Smiths. Esta é uma história sobre o primeiro amor, sobre como ele é invariavelmente intenso e quase sempre fadado a quebrar corações. Um amor que faz você se sentir desesperado e esperançoso ao mesmo tempo.

Essa resenha contém Spoilers, mas também contém amizade, afeto e companheirismo, se mesmo assim você não gosta, por favor, não continue a leitura!!

“Era como uma obra de arte, e arte não deve ter boa aparência, mas sim fazer a gente sentir alguma coisa.”

É, seria clichê dizer que existem livros que te deixam sem palavras por sua profundidade e que esse seria um deles. Então me imagine emitindo sons como: Ownn! ou Cute, cute cute! e até mesmo os famosos: Oooooh!!! e Ahhhhhh!!!

Eleanor & Park não é apenas um simples romance adolescente, apesar de retratar esse período da vida dos dois, com todas as suas expectativas, inseguranças, descobertas e lembranças. Nele você encontra bullying, descaso, sexualidade, preconceito, conflitos familiares e, todas as sensações do primeiro amor. Tudo isso em meados de 1986. Então dá para comparar essas questões levantadas nos dias atuais, sendo vivenciadas naquela época? Não é um livro de encontro e sim de união. Nele encontrará questionamentos, que não necessariamente serão respondidos, ele é reflexivo.  Você se ver com o coração na mão de tanta angustia, ou que saiu pela boca de tanta emoção, o que de forma bastante inteligente foi abordado pela Rainbow Rowell, fazendo com que o leitor se identifique com a trama, além de causar um misto de amor e ódio pelos personagens secundários.

Eleanor & Park são os filhos mais velhos, mas existe um abismo que separa a realidade das duas famílias. Como aqueles que você nunca desejaria que um adolescente passasse e que pode marcá-lo por toda a sua existência.

parkEle vive numa família perfeita, com seus pais, um irmão e uma boa condição social, mas tem uma dificuldade enorme em se relacionar com o pai, um militar, que não sabe lidar com as transições da adolescência tão distintas entre ele e seu irmão, ao contrário de sua mãe, que se esforça para compreender suas crias. É descendente de um irlandês com uma coreana. Essa mistura peculiar lhe rendeu olhos tão verdes que podiam transformar dióxido de carbono em oxigênio, segundo a Eleanor. 😮 É amante de HQ’s e música punk. Isso foi o que os uniu, não que ela gostasse desse estilo musical. Ela já chamava atenção por sua vasta cabeleira ruiva, 1962701_438968736206004_1573851243_nherança dinamarquesa, característica de sua família. E seu jeito de se vestir, o que mais na frente descobriremos o motivo. E ainda se acha gorda. Seus pais são separados e ela mora com a mãe e seus quatro irmãos na casa do padrasto, que é um nojo de pessoa, por sinal, argh!!! E é o responsável pela maior parte do drama da vida de Eleanor, ou seria a mãe dela, por colocá-la nessa situação? Seu pai é completamente ausente, então nem vou me deter a esse insignificante detalhe. E ainda se acha gorda. Ela aguçou todos os meus instintos maternais. Vestir roupas de um tamanho duas vezes maior que o seu, sendo masculinas ou femininas, não é tão alarmante, quanto o motivo por escovar os dentes com sal. :/ Não bastasse todo o mal – estar de um primeiro dia de aula, numa escola nova, depois de viver por quase um ano longe sua mãe e irmãos, Eleanor se depara com uma recepção, muito comum, mas que não consigo vê-la como normal, o bullying. Fica conhecida como A Ruiva e passa a ser descriminada pelos colegas. Até que o bom coração de Park fala mais alto.

Park gostaria de estar sentindo somente uma raiva honrada. Gostaria de sentir somente vontade de defender e proteger Eleanor sem sentir… tudo mais.

Os dois se aproximam por uma daquelas situações da vida, que não sabemos explicar a reviravolta que deu. Ele lhe ensina o que significar curtir uma boa música. E passa a compartilhar com ela sua paixão pela leitura, que é a dela também. Foi bom relembrar da minha época de troca dos chamados gibis. Principalmente os dos X-men. Ahhh! Eu era a Vampira (ainda gosto desse tema), e me divertia muito ao usar o meu ‘poder’ mutante, mas ver minha primeira mecha de cabelos brancos de verdade, não foi tão divertido assim. 😦   E o assento do ônibus escolar se torna cúmplice do amor deles. “– Acho que nem respiro quando não estamos juntos – ela sussurrou. – O que significa que, quando te vejo na segunda de manhã, foram umas sessenta horas sem respirar.” – Gente inteligente é outra coisa, usa disso até pra trocar declarações de amor. Fiquei completamente perdida. Não sabia de qual dos dois gostava mais. O Park é um fofo ao se descobrir apaixonado. Desejaria que toda garota tivesse um primeiro amor assim. Acho que pendi um pouco para o lado das meninas, né?! Então posso dizer que amei o lado sarcástico da Eleanor, com suas reviradas de olhos e até para lidar com seus sentimentos, já que seu histórico de relacionamentos não ajudava. 1797604_535316583233039_1420574898_n cópia Eleanor & Park é um daqueles livros que faz você grunhir: – MEU! – quando alguém te pede emprestado. Tem uma playlist bem diversificada, que trás U2 da década de 80, gente, (o Park fazendo jus ao bom irlandês que era) tão – tão bom. 😉 Também tem uma linda diagramação. É diferente de qualquer YA que você já leu. Ele foi indicado ao The Michael L. Printz Award, ou Printz como é conhecido, por Excelência em Literatura YA, é vencedor do prêmio Melhor Livro de YA de 2013 no Goodreads e Best-Seller do The New York Times. Foi apadrinhado por John Green que em sua resenha para o New York Times disse: “– Eleanor & Park me lembrou não apenas de como é ser jovem e apaixonado por uma garota, mas também de como é ser jovem e apaixonado por um livro.” E qual não foi a minha surpresa ao saber que a DreawWorks Studios comprou os direitos de adaptação para o cinema. \o/ \o/

Embarque nessa viagem apaixonante. Tenha uma ótima leitura e volte aqui para dizer o que achou. 😉

EleanorThumb

Sobre a autora:

Rainbow

Rainbow Rowell escreve livros. Às vezes sobre adultos, às vezes sobre adolescentes. Mas sempre sobre pessoas que falam muito. E pessoas que sentem como se estragassem tudo. E pessoas que se apaixonam. Quando está escrevendo, Rainbow lê quadrinhos, planeja viagens à Disney e discute sobre coisas que, na realidade, não importam. Vive em Nebraska com o marido e dois filhos.

Fontes: HCPL  EW

Um comentário em “[Resenha] Eleanor & Park, de Rainbow Rowell

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s